in

Óbvio News responde: Por que sonhamos com coisas bizarras?

Os sonhos ocorrem enquanto as memórias são organizadas e consolidadas no cérebro. Mas por que eles são tão estranhos?

O Dr. Erik Hoel, neurocientista da Tufts University, diz que nosso cérebro está “superdimensionado”. Ele explica seu conceito em um artigo publicado na revista científica “Patterns”.

As redes neurais mostram como o cérebro do sonhador pode funcionar

A ideia do cérebro superdimensionado foi iniciada pelo trabalho em inteligência artificial, especificamente nas chamadas redes neurais.

As redes neurais são algoritmos de computador inspirados no comportamento das células nervosas do cérebro.

Graças a essas redes, computadores, podem aprender com exemplos e generalizar os conhecimentos adquiridos. Um exemplo seria um software que reconhece imagens ou fala.

As redes neurais aprendem criando uma rede em constante mudança de conexões entre diferentes elementos.

Colocando-os juntos e comparando-os, eles chegam à conclusão de que, por exemplo, uma grande flor amarela é um girassol e uma pequena, é uma Narcissus. No entanto, esse processo está sujeito a erros.

Frequentemente, o algoritmo se fixa em informações irrelevantes, chegando a conclusões erradas. Este fenômeno é denominado overtraining.

Para evitar que isso aconteça, os programadores introduzem elementos de aleatoriedade nos algoritmos. Eles evitam o overtraining e, ao mesmo tempo, causam uma espécie de alucinação computacional.

Eles podem ser vistos, por exemplo, em imagens processadas pelos algoritmos do Google, que, como resultado do processamento por redes neurais, adquirem cores e elementos psicodélicos.

Por exemplo, uma imagem de colinas cinzentas torna-se colorida com o arco-íris e vários olhos aparecem nas rochas. Parece bizarro para nós, mas é assim que os computadores aprendem com eficácia.

De acordo com seu conceito, nossa mente, como uma rede neural, processa informações à noite e adiciona elementos aleatórios ao processo para evitar overtraining.

É por isso que nossos sonhos geralmente são tão bizarros, surpreendentes ou ilógicos. Os sonhos nos impedem de cair em uma rotina mental, acredita o Dr. Hoel.

A hipótese do cérebro supertreinado também explica por que esse fenômeno ocorre durante o sono.

Durante o dia, o corpo deve estar preparado para reagir rapidamente, portanto, processar dados com elementos aleatórios pode ser perigoso.

É por isso que esse processo ocorre à noite, acrescenta o Dr. Hoel. Em sua opinião, os sonhos, portanto, fazem sentido, mas não como costumamos atribuir a eles.

Por exemplo, se você sonha em voar, pode ser que seu cérebro esteja se exercitando para manter seu corpo em equilíbrio.

A televisão pode afetar nossos sonhos

O Dr. Hoel ainda expôs a hipótese de que o cérebro super treinado será verificável. Para ele, isso requer testes psicológicos bem elaborados com a participação de pessoas que adormecem e não dormem bem.

Segundo o estudioso, também é possível que obras baseadas em ficção, livros, filmes ou videogames, tenham uma conexão com os sonhos.

Eles podem de alguma forma “substituir” os sonhos e afetar seu conteúdo. É possível que no futuro seja possível desenvolver séries terapêuticas adaptadas às necessidades do cérebro. A realidade virtual também pode ajudar nessa tarefa.

Escrito por Paulo Freitas

Jornalista sempre em busca da informação, movido pelo universo curioso e antenado em temas de saúde.