in

Jovem “ressuscita” em casa funerária após ser declarada morta

Timesha Beauchamp

Paramédicos americanos foram recentemente chamados para um caso incomum, na Casa funerária James H. Cole, em Detroit, Estados Unidos.

O caso em questão aconteceu depois que um corpo a ser preparado para o enterro começou a dar sinais de vida. Segundo relatos, esta rara descoberta ocorreu na manhã do domingo (23).

Anteriormente, Timesha Beauchamp, de 20 anos, que sofria de paralisia cerebral desde o nascimento, teve uma parada cardíaca.

A família da jovem ligou para o 112 e quando os paramédicos chegaram, realizaram uma Reanimação Cardiopulmonar (RCP) e outros métodos de revivificação de vida por 30 minutos, na tentativa de salvar Timesha.

“Levando em consideração as indicações médicas e as condições da paciente, verificou-se que ela não apresentava sinais de vida”, disse o comunicado do Corpo de Bombeiros de Southfield.

Timesha Beauchamp foi dada como morta

O porta-voz do condado de Oakland, William Mullan, declarou ao DailyMail, por telefone, que depois de declarar a morte da mulher, os paramédicos seguiram o procedimento operacional padrão e contataram um médico do pronto-socorro de um hospital da área, que analisou os dados médicos da paciente e declarou seu falecimento.

Após entrar em contato com o médico legista, determinou-se que o corpo da jovem poderia ser liberado para sua família.

Em seguida, o corpo da até então falecida, foi levado para a casa funerária por volta das 11h30, e foi lá que funcionários do necrotério descobriram que a jovem ainda estava respirando.

O advogado Fieger disse que investigaria a possibilidade de processar os paramédicos e a polícia.

“Eles queriam começar a embalsamar o corpo dela. A parte mais assustadora é que eles teriam começado a fazer isso se ela não tivesse aberto os olhos. Eles simplesmente deixaram cair o sangue dela” disse o advogado Geoffrey Fieger, que foi contratado pela família de Timesha Beauchamp.

Os paramédicos do Corpo de Bombeiros foram acionados para levar Timesha até um hospital e até agora não se tem informação sobre seu atual estado.

“No momento, a principal preocupação da família é que Timesha sobreviva e volte ao normal. Os médicos não sabem dizer qual é o prognóstico e tudo pode mudar a qualquer momento”, disse o advogado a rede ABC.