in

Homem processa aplicativo de namoro por alegar falta de mulheres novas e interessantes

Quando Ian Cross, um americano de 29 anos do Colorado, ingressou no Denver Dating Company, um site com um aplicativo relacionado para namoro de solteiros, ele certamente tinha grandes esperanças.

Porém, sabemos: às vezes as expectativas não correspondem ao que então encontramos na realidade, e assim foi com este menino americano.

Depois de gastar mais de $ 9.400 para se inscrever no aplicativo de namoro e ter a certeza de que encontraria dezenas de mulheres solteiras de sua cidade natal dispostas a marcar um encontro graças a este serviço, ele não poderia imaginar que seus objetivos não se concretizassem.

Decepcionado e ressentido com a situação, ele decidiu levar o aplicativo de namoro para o tribunal e processando-o por várias práticas impróprias.

Se você está se perguntando o que levou o homem a processar o site Denver Dating Company, é fácil dizer: apesar do que lhe foi prometido e do dinheiro gasto, ele logo percebeu que, em sua área, havia apenas cinco mulheres que eram usuárias ativas entre as idades de 18 e 35, que era a faixa etária de mulheres que ele procurava.

“Disseram-me que aquele site, em seu banco de dados, continha um grande número de mulheres solteiras na faixa etária de meu interesse, mas só encontrei cinco”, disse Cross à imprensa local.

As acusações feitas pelo homem no serviço de encontros, aliás, eram bastante pesadas. Publicidade enganosa, quebra de contrato e fraude: por isso ele denunciou o Denver Dating Company, contando como a empresa se gabava de ter todas as credenciais para garantir seriedade, eficiência e resultados aos seus associados.

Além disso, apesar da promessa de uma sessão de fotos para suas fotos de perfil, isso nunca aconteceu.

Os US $ 9.400 gastos pela Cross para o “pacote completo”, no entanto, foram embolsados ​​pela empresa, sem realmente fornecer o que foi solicitado. Em um estágio posterior, também ficou claro que as muitas análises positivas da empresa eram falsas.

Os reiterados relatórios que Ian mandou para a empresa, que nem mesmo quis ouvir seus pedidos de reembolso, foram inúteis. Após várias discussões, não houve mais resposta da empresa. Foi nesse ponto que Cross, entrou com o processo.

Escrito por Paulo Freitas

Jornalista sempre em busca da informação, movido pelo universo curioso e antenado em temas de saúde.